Gravidez e pilates: uma combinação perfeita

Prática durante a gestação traz inúmeros benefícios para a saúde da futura mamãe
O período gestacional é considerado, por muitos, uma época de privações. Atividades, que antes eram feitas tranquilamente, não podem ter mais continuidade em função dos cuidados que a gravidez necessita. Porém, quando realizadas de forma moderada, podem continuar normalmente. É o caso do pilates, método de controle muscular.
Esse exercício deve ser evitado nos três primeiros meses de gravidez. “O primeiro trimestre é sempre o mais delicado para a formação do bebê”, explica a fisioterapeuta Cintia Maia. Após o período, com liberação de um médico, a técnica deve ser retomada, visto que só traz benefícios à futura mamãe. “Os alongamentos ajudam a gestante a se preparar para o momento do nascimento e, também, do pós-parto. A mulher vai passar muito tempo com a criança no colo e vai precisar de mais força nos braços”, explica.
O pilates ainda minimiza as dores nas costas, recorrentes do período gestacional. A respiração auxilia a boa oxigenação dos tecidos e o relaxamento. Mas a escolha dos exercícios deve ser feita com precaução. “A gestante não vai poder trabalhar o abdômen da mesma maneira que fazia antes da gravidez. Ela precisará de atividades orientadas, uma vez que o peso durante a gestação vai aumentando com o passar dos meses, prejudicando a circulação periférica dos membros inferiores”, detalha Cintia.
Portanto, o pilates é um grande aliado das gestantes. É um parceiro na prevenção de varizes, na manutenção da postura correta, no fortalecimento muscular, ou seja, para manter a qualidade de vida da futura mamãe ao longo da gravidez.