Células-tronco mesenquimais: segurança e eficácia no tratamento da doença de Crohn

A terapia com células-tronco tem sido aplicada para tratar uma variedade de doenças autoimunes, incluindo a doença de Crohn (DC). Os portadores da doença sofrem com intensa e frequente dor abdominal, diarreia e obstrução intestinal, entre outros sintomas. Muitas vezes é necessária uma intervenção cirúrgica para remover partes do intestino doente.
Há algumas terapias paliativas que buscam melhorar a qualidade de vida dos portadores de DC, mas a doença é incurável. Pesquisadores chineses, liderados por Zhang Jian, se dispuseram a pesquisar se as de células-tronco mesenquimais do cordão umbilical poderiam ser benéficas para tratar estes doentes, e então realizam um estudo com 82 pacientes que estavam com a doença estabilizada há mais de 6 meses.

Como foi conduzida a pesquisa
O estudo foi um ensaio clínico prospectivo, randomizado e controlado. Os participantes foram divididos em dois grupos:
1 – grupo controle: manutenção do controle da doença com corticoides
2 – grupo de tratamento: 41 pacientes que receberam um total de quatro infusões periféricas
de células-tronco mesenquimais do cordão umbilical (1 × 106 UC-MSCs / kg), sendo uma infusão por semana.


Os pacientes foram acompanhados por um ano após a infusão de células, com avaliações trimestrais. O índice de atividade da doença de Crohn (CDAI), o índice de Harvey-Bradshaw (HBI) e a dosagem de corticosteroides foram os principais parâmetros observados para mensurar se a terapia celular havia sido efetiva.

Resultados significantes

Doze meses após o tratamento, a dosagem de CDAI, HBI e a dosagem de corticosteroide diminuíram significantemente no grupo tratado com as células-tronco quando comparado ao grupo controle. Quatro pacientes desenvolveram febre após a infusão de células, mas nenhum
evento adverso sério foi observado.
Os resultados finais do estudo apontaram eficácia no tratamento da doença e efeitos colaterais leves, caracterizando a terapia como segura. Estudos futuros com avaliação intestinal histológica devem explicar o mecanismo de ação das células-tronco contra a Doença de Crohn. Os pesquisadores também apontaram a necessidade de avaliar como é possível aumentar a distribuição das células-tronco no tecido intestinal e avaliar o risco de células terem sido retidas nos capilares pulmonares, diminuindo a eficácia da terapia.

Bibliografia consultada
Zhang, J. et al. Umbilical Cord Mesenchymal Stem Cell Treatment for Crohn’s Disease: A Randomized Controlled Clinical. Gut and Liver, Vol. 12, No. 1, January 2018, pp. 73-78. Disponível em: > https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28873511/