Pesquisadora utiliza sangue de cordão umbilical para tratamento do Autismo | Hemocord Magazine

Pesquisadora utiliza sangue de cordão umbilical para tratamento do Autismo

Estudos apontaram melhorias no comportamento de crianças autistas após tratamento com sangue do seu próprio cordão. Foi constatado aumento da atividade cerebral nas regiões relacionadas às habilidades sociais, de comunicação e de linguagem.

 

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) compreende uma variedade de disfunções caracterizadas por deficiências na interação social e comunicação, e comportamentos repetitivos e restritivos. E foi observando o aumento no número de crianças diagnosticadas com Autismo e as poucas opções terapêuticas para este transtorno que a Dra Joanne Kurtzberg, da Universidade Duke nos EUA, organizou um grupo de pesquisa para avaliar a segurança e eficácia do uso do sangue de cordão umbilical no tratamento destes pacientes. O foco dos estudos é melhorar a qualidade de vida de crianças diagnosticadas com TEA.

 

Os primeiros resultados foram apresentados em publicação no ano de 2017, onde Dra Joanne e seus colaboradores demonstraram que infusões do sangue de cordão autólogo (do próprio paciente) são formas seguras e viáveis de tratar crianças pequenas com TEA. Evidenciaram, também, melhoras comportamentais de pacientes que receberam uma única infusão intravenosa do seu próprio sangue de cordão, como o aumento da socialização, comunicação e diminuição dos sintomas clínicos.

 

Dois anos depois divulgaram resultados mais detalhados sobre estas melhoras comportamentais observadas após tratamento com o sangue de cordão umbilical. Demonstraram, por imagens de ressonância magnéticas obtidas antes e 6 meses depois das infusões, que houve um aumento na conectividade entre as células nervosas de regiões cerebrais responsáveis por habilidades sociais, de comunicação e de linguagem.

 

Esses resultados encorajaram Dra Joanne e sua equipe em continuar as avaliações da eficácia de uma única infusão intravenosa de sangue de cordão – autólogo (próprio sangue de cordão) ou alogênico (sangue de cordão de um doador) – em crianças com TEA. Atualmente conduzem ensaio clínico em fase 2 (veja os detalhes em: https://clinicaltrials.gov/ct2/show/NCT02847182

 

Pesquisadora utiliza sangue de cordão umbilical para tratamento do Autismo


Leia os estudos na íntegra: