Alergia a fraldas

Alergia a fraldas: como combater?

O corpo de um bebê é muito sensível. Por ser menos resistente e mais maleável, ele corre mais riscos de ficar doente e se machucar. Com a pele, não é diferente: bebês podem ficar com marcas, manchas e alergias com certa facilidade. Entre elas, está a alergia a fraldas.

Muitos pais percebem, na hora da troca de fraldas, que a pele do bebê está muito vermelha e, às vezes, que tem feridas. Você sabe como evitar e combater esse problema?

Como combater a alergia a fraldas?

A dermatite das fraldas, também conhecida como assadura, é um tipo de dermatite inflamatória que é bem comum nos primeiros anos de vida do bebê, já que atinge as áreas que ficam cobertas pelas fraldas.

O problema acontece porque a fralda aumenta a temperatura e a umidade no local, e torna a pele mais suscetível ao contato com fezes, urina e substâncias químicas como sabonetes e talcos.

Nos casos mais simples de alergia a fraldas, em que a pele apresenta vermelhidão, o melhor tratamento é a prevenção.

O objetivo principal deve ser manter a pele do bebê seca e limpa, com trocas de fralda frequentes. O ideal é fazer a limpeza do local com água morna e sabonete neutro, sem esfregar muito, e secar bem antes de colocar uma nova fralda.

É importante, também, evitar produtos que possam conter muitos agentes químicos, como lenços umedecidos com álcool e sabonetes com odores e cores fortes.

Se a dermatite persistir, o ideal é que o bebê passe algum tempo por dia sem fralda, para arejar a região. Também é possível usar pomadas para prevenir assaduras.

O que fazer quando o caso for mais grave?

Em alguns casos, no entanto, a alergia a fraldas não se manifesta apenas por vermelhidão. Muitas vezes, infecções secundárias, como candidíase, ou infecções bacterianas causadas pelo  Bacillus faecalis ou por bactérias do gêneroProteus, Pseudomonas, Staphylococcus e Streptococcus, podem surgir como consequência da dermatite.

Para essas infecções, o uso de pós, óleos e pomadas pode agravar o quadro clínico. O que fazer se os cuidados indicados acima não forem suficientes?

O primeiro passo é procurar um médico. O pediatra ou um dermatologista poderão indicar qual é o melhor tratamento para o bebê.

No caso de persistência da vermelhidão, costuma-se receitar um corticóide de baixa potência, a ser usado no máximo duas vezes por dia. Como a área de aplicação é extensa, o medicamento pode causar efeitos indesejáveis em todo o corpo e, por isso, só pode ser utilizado com recomendação médica.

Se, além da vermelhidão, a pele apresentar pústulas, isso pode indicar candidíase. Nesse caso, o médico pode prescrever algum creme com ação antifúngica,que pode ser utilizado revezando com o corticoide. Em caso de infecção bacteriana, o médico pode receitar antibiótico.

O mais importante é ficar atento para ter certeza de que a dermatite está passando. A alergia a fraldas é algo comum, mas pode ser tratada. Fique de olho para saber como está a pele do seu bebê e para cuidar dela da melhor maneira possível.

Falando em prestar atenção, será que seu filho está apresentando sintomas de algum tipo de intolerância alimentar? Continue sua leitura com este texto e saiba mais!