Você sabe como doar medula óssea?

O Registro Brasileiro de Doadores de Medula Óssea (REDOME), criado em 1993, concentra informações de cerca de três milhões de pessoas
Quando um paciente com câncer no sangue não encontra um doador de medula óssea na família (irmãos, pais ou parentes próximos), a solução para que o transplante seja realizado é procurar um doador compatível entre os grupos étnicos semelhantes, mas não aparentados. O Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME) foi criado em 1993 e instalado no Instituto Nacional de Câncer (INCA) em 1998. O cadastro reúne informações como nome, endereço, resultado de exames, além de características genéticas de pessoas que têm o desejo de doar a medula para transplante.
Segundo os números do INCA, graças às campanhas de sensibilização promovidas pelo governo, o volume de doadores voluntários tem aumentado expressivamente nos últimos anos. Em 2000, existiam apenas 12 mil inscritos. Naquele ano, entre os transplantes de medula realizados, apenas 10% dos doadores eram brasileiros localizados no REDOME. Atualmente, há mais de três milhões de doadores inscritos, e o percentual subiu para 70%. O Brasil tornou-se o terceiro maior banco de dados do gênero no mundo, ficando atrás apenas dos Registros dos Estados Unidos, com quase sete milhões de doadores, e da Alemanha, com cerca de cinco milhões cadastrados.
A doação
Pessoas entre 18 e 54 anos e com boa saúde podem ser doadores. O candidato a doador deverá procurar o hemocentro mais próximo de sua casa, onde será agendada uma entrevista para esclarecer dúvidas a respeito das doações e, em seguida, será feita a coleta de uma amostra de sangue (10 ml) para a tipagem de HLA (características genéticas importantes para a seleção de um doador). Os dados do doador são inseridos no cadastro do REDOME e, sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada. Uma vez confirmada, o doador será consultado para decidir quanto à doação. O transplante de medula óssea é um procedimento seguro, realizado em ambiente cirúrgico, feito sob anestesia geral, e requer internação de, no mínimo, 24 horas.
Como acessar o REDOME?
O processo é simples e totalmente informatizado. O médico responsável inscreve as informações do paciente, incluindo o resultado do exame de histocompatibilidade – HLA – (exame que identifica as características genéticas de cada indivíduo), no sistema do REREME – Registro Nacional de Receptores de Medula Óssea.  Imediatamente, a busca é iniciada. Quando são identificados possíveis doadores compatíveis, a informação é logo transmitida ao médico, que junto com a equipe do REDOME, analisa os melhores doadores, faz a escolha, e é dado início aos procedimentos de doação. O doador é, então, convocado a realizar os testes confirmatórios, a avaliação clínica. A retirada das células para a doação é feita no hospital habilitado mais próximo da residência do doador. Assim que retiradas, as células são transportadas até o centro onde o será feito o transplante.
Lembre-se: O doador de medula óssea deve manter o cadastro atualizado sempre que possível. Para saber onde doar na sua cidade consulte o site: http://www.ameo.org.br/
O Hemocord apoia a doação de medula óssea!