Potencial do sangue jovem

Um artigo publicado por pesquisadores da Universidade da Califórnia, na conceituada revista científica Nature, apresentou resultados de um estudo sobre o envelhecimento e as deficiências cognitivas relacionadas à idade. Com o aumento da expectativa de vida dos humanos, os cuidados com a senescência (processo natural de envelhecimento ao nível celular) saudável vêm sendo cada vez mais enfatizados tanto em níveis de prevenção, como em níveis de tratamento.

Os pesquisadores injetaram sangue periférico de camundongos jovens em outros com idade avançada e analisaram os efeitos do envelhecimento cerebral em nível molecular, estrutural, funcional e cognitivo.

Foi possível detectar alterações relacionadas com a plasticidade celular (capacidade das células se diferenciarem) e com um aumento nas estruturas sinápticas (responsáveis pela comunicação entre as células nervosas) no cérebro dos camundongos velhos que receberam tratamento com sangue de camundongos jovens.

 A administração do sangue das cobaias jovens também diminuiu as deficiências cognitivas relacionadas com a idade. Foram analisadas questões como medo, aprendizado e memória.

Os pesquisadores concluíram que a exposição de camundongos velhos ao sangue de camundongos novos é capaz de neutralizar o envelhecimento, aumentar as conexões entre as células nervosas, rejuvenescer o cérebro e melhorar os fatores cognitivos dos animais.

Esse estudo apresenta possíveis estratégias para reverter o envelhecimento. Uma das possibilidades é que a introdução de fatores de juventude celular do sangue jovem pode reverter as deficiências relacionadas com a idade no cérebro ou, então, esses mesmos fatores podem estar envolvidos no bloqueio das vias de envelhecimento, neutralizando seus efeitos.

Segundo Daniel Marinowic, coordenador PD&I do Hemocord, a idade celular influencia de forma muito expressiva o sucesso de diversas terapias e experimentos. Em transplantes de medula óssea, a sobrevida dos pacientes e a menor incidência de Doença do Enxerto contra o Hospedeiro estão diretamente ligadas com a idade do doador. Células mais jovens apresentam maior atividade de enzimas que protegem os cromossomos, menores alterações genéticas e menor imunorreação, devido à baixa exposição a fatores ambientais. Nesse sentido, o sangue do cordão umbilical é considerado uma fonte rica em células-tronco mais imaturas, se comparadas às células-tronco da medula óssea de adultos.

Referências
VILLEDA et al. Young blood reverses age-related impairments in cognitive function and synaptic plasticity in mice. Nature, 2014.
KOLLMAN et al. Donor characteristics as risk factors in recipients after transplantation of bone marrow from unrelated donors: the effect of donor age. Blood, 2001.