Membrana amniótica pode auxiliar no tratamento do pé diabético

O aparecimento de feridas nos membros inferiores é uma das maiores preocupações dos pacientes com Diabetes. O fechamento tardio de úlceras no pé é o principal fator que leva à amputação dos membros inferiores nesses pacientes. Encontrar recursos que otimizem essas taxas de cicatrização é um desafio par médicos e indústria farmacêutica.


Há alguns anos, especialistas americanos desenvolveram um enxerto biológico com membrana amniótica desidratada – que é rica em células-tronco mesenquimais – para atuar como curativo em feridas. Para implementá-lo, desenvolveram um estudo multicêntrico com pacientes atendidos em 8 clínicas dos Estados Unidos. Pacientes diabéticos com úlceras podais abertas há mais de 30 dias sem infecção (classificação de Wagner grau 1 ou superficial grau 2) participaram da pesquisa.


Os indivíduos elegíveis foram randomizados para receber o tratamento padrão ou o enxerto biológico + tratamento padrão. Trinta e cinco por cento dos indivíduos tratados com o curativo biológico alcançaram o fechamento completo da ferida na semana 6 ou antes. Nenhum paciente que foi tratado somente com o tratamento padrão teve suas úlceras fechadas neste mesmo período de tempo. Nenhum evento adverso relacionado ao tratamento foi relatado. O acompanhamento dos pacientes do estudo demonstrou que o enxerto desenvolvido a partir da membrana amniótica foi seguro e eficaz.

Fonte utilizada:
Snyder, RJ et al. A Prospective, Randomized, Multicenter, Controlled Evaluation of the Use of Dehydrated
Amniotic Membrane Allograft Compared to Standard of Care for the Closure of Chronic Diabetic Foot Ulcer.
Wounds, 2016 Mar;28(3):70-7.
Disponível em: > https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26978860/ <