Sangue de cordão para curar anemia falciforme em menina de dois anos

Sangue de cordão para curar anemia falciforme em menina de dois anos

Um transplante de medula óssea mudou a vida de uma família paulista. A pequena Giovana, diagnosticada com anemia falciforme com apenas um ano de idade, teve sua vida salva após receber tratamento que envolveu um transplante com o sangue de cordão umbilical coletado em dezembro de 2016, no nascimento de seu irmão Mateus.

Giovana foi diagnosticada com o tipo mais grave da anemia falciforme, uma doença onde as células sanguíneas denominadas hemácias apresentam um formato de foice, ao invés do formato circular das hemácias saudáveis. As células “afoiçadas” obstruem o fluxo sanguíneo e dificultam o transporte de oxigênio, causando as diversas manifestações clínicas da doença.

O caso foi exibido no Jornal Nacional em 2015, e a equipe de reportagem acompanhou a decisão de Juliana e Hugo, pais da menina, em terem um novo filho na esperança de utilizarem o sangue de cordão para o tratamento da doença.

A equipe do telejornal da Rede Globo continuou acompanhando a história de Giovana até estar curada. O processo envolveu sessões de quimioterapia para eliminar as células doentes, e o transplante com o sangue de cordão armazenado, para restabelecer a função da medula óssea da menina e produzir as células sanguíneas saudáveis.

Confira essa história na reportagem de Natália Ariede: