mundo digital superexposição

Riscos da superexposição dos filhos no mundo digital

Os adultos dos dias de hoje  — a maioria — já estão plenamente acostumados ao mundo digital. A geração Y passa o dia inteiro com o celular nas mãos, se comunicando, trabalhando e recebendo informações o tempo inteiro através da internet. E esses adultos já começaram a ter filhos – a primeira geração que nasceu completamente imersa nesse mundo tão digital.

O resultado disso é que as crianças são expostas cada vez mais cedo à tecnologia e na tecnologia: fotos de bebês recém-nascidos e vídeos de crianças estão por todos os lados. Mas essa exposição excessiva pode trazer riscos tanto para as crianças quanto para os pais.

Saiba quais são os efeitos da superexposição dos filhos no mundo digital.

Quais são os riscos da superexposição dos filhos no mundo digital?

A chamada geração alpha, os filhos da geração Y, estão cada vez mais presentes nas redes sociais. Mesmo que algumas redes possuam limites de idade para os usuários, esses limites são facilmente burlados. O Facebook, por exemplo, é a rede social com a maior probabilidade de ter membros que quebram a regra da idade mínima – 13 anos.

Porém, mesmo quando o perfil não pertence à criança, ela pode estar exposta no perfil dos pais. Uma pesquisa no Reino Unido mostrou que a exposição dos filhos começa já nas primeiras horas de vida: 57% dos recém-nascidos têm suas fotos publicadas na internet dentro de uma hora após seu nascimento.

Os pequenos se tornam, assim, reféns da exposição dos pais, que querem mostrar tudo o que seus filhos fazem para os seguidores das redes sociais. Muitas vezes os objetivos são bons – como compartilhar com a família distante o desenvolvimento da criança – mas, mesmo assim, a superexposição pode trazer riscos.

É evidente que expor a rotina da família na internet, para que qualquer um veja, pode atrair pessoas mal-intencionadas que vão saber seus horários e os lugares que frequentam. Porém, além disso, essa exposição pode causar constrangimentos para a criança quando ela crescer. Ou, do outro lado da moeda, pode fazer com que ela valorize demais as curtidas nas redes sociais e se torne obcecada pela própria imagem.

Mas como os pais podem estabelecer esses limites sem deixar de mostrar as fotos do filho para seus seguidores do mundo digital?

Quais os limites para expor os filhos?

Ainda que haja bons motivos para postar as fotos dos pequenos na internet – como o compartilhamento de informações sobre o parto – é preciso pensar sobre como isso poderá afetar a criança no futuro. Pergunte-se “qual é o objetivo dessa postagem?” antes de colocar a foto nas redes sociais.

Para a professora Belinda Mandelbaum, do Instituto de Psicologia da USP, é uma questão de se colocar no lugar da criança – um exercício de empatia. Pense em como essas postagens podem afetar a vida do seu filho no futuro e a formação da identidade dele.

O especialista de segurança João Almeida alerta para a necessidade de usar os filtros de bloqueio das redes sociais, que permitem que apenas um grupo seleto de pessoas veja suas fotos. Além disso, ele recomenda que não se publique o lugar onde a foto foi tirada. Fotos da criança com o uniforme da escola também dão pistas de onde o pequeno está – e atraem criminosos.

Nem sempre são os pais

Sabemos que, nos dias de hoje, não são apenas os pais que expõem os filhos nas redes sociais. Muitas vezes, a própria escola ou lugares que os pequenos frequentam divulgam fotos das crianças sem autorização. A especialista em psicopedagogia e conselheira da Associação Brasileira de Psicopedagogia Irene Maluf garante que a imagem da criança é de direito exclusivo dos pais e, se você se sentir incomodado pelo uso da foto de seu filho, pode pedir que a escola a tire do ar imediatamente.

A melhor regra, portanto, é ter moderação. Coloque a segurança de seu filho em primeiro lugar e pense no quanto essas fotos podem afetá-lo no futuro. Assim, você poderá compartilhar um pouco de sua vida no mundo digital sem acabar com a privacidade de sua família.

E para ter muitas boas recordações, que tal planejar uma festa a fantasia para o próximo aniversário do seu filho?