O que são células-tronco? | Hemocord Magazine
O que são células-tronco

O que são células-tronco?

Inúmeras matérias na imprensa relatam as pesquisas e possibilidades, mas poucas pessoas sabem realmente o que são células-tronco. Como qualquer conceito biológico, a explicação inicialmente pode ser bastante complicada, mas por isso reunimos algumas das principais dúvidas neste post, para te ajudar a entender melhor o que são, para que servem e a importância do armazenamento das células-tronco.

Quais as características das células-tronco?

De uma forma geral, as células-tronco são consideradas células imaturas e indiferenciadas, que possuem duas características fundamentais: podem se autorreplicar, gerando outras células-tronco idênticas a elas, e podem se diferenciar em diversos tipos de células adultas, com funções especializadas.

De acordo com a origem, elas podem ser classificadas em células-tronco embrionárias, capazes de originar todos os diferentes tipos de células que formam os tecidos e órgãos do corpo, e em células-tronco adultas, as quais possuem a função de reparar os tecidos que sofreram lesão e garantir a reposição de células que morrem no decorrer da vida, como as células da pele, do sangue e do bulbo capilar (fios de cabelo).

Dentre as fontes de obtenção de células-tronco adultas, destacam-se os tecidos fetais-neonatais, ricos em células-tronco mais imaturas e com menor chance de exposição a fatores ambientais prejudiciais. O sangue de cordão umbilical e placentário é rico em um tipo de célula-tronco adulta, denominada célula-tronco hematopoiética. Confira na Hemocord Magazine uma explicação detalhada sobre os tipos de células-tronco presentes no cordão umbilical e na medula óssea.

Utilidade das células-tronco do sangue de cordão

As células-tronco hematopoiéticas obtidas do sangue de cordão podem ser utilizadas em todas as indicações de transplante de medula óssea, no tratamento de cerca de 80 doenças. Desta forma, o sangue de cordão é uma alternativa ao transplante de medula óssea, com uma forma de obtenção muito mais simples: a coleta é rápida, indolor, e sem intervenções desconfortáveis ou riscos associados ao procedimento feito no doador. Além das doenças tratáveis com o sangue de cordão, atualmente há mais de 200 estudos clínicos em voluntários humanos que avaliam o potencial terapêutico das células do sangue de cordão umbilical em diversas doenças e condições que até hoje não possuem tratamento. Desde 1988, já foram armazenados mais de 4 milhões de unidades de sangue de cordão em todo o mundo, e cerca de 35 mil transplantes com sangue de cordão já foram realizados mundialmente. Esses dados estão descritos no artigo escrito pela médica e pesquisadora Dra. Karen Ballen e suas colaboradoras, publicado neste ano no periódico internacional Bone Marrow Transplantation, disponível em nosso site.

Doenças tratadas com o sangue de cordão

O sangue de cordão umbilical pode ser utilizado no tratamento de diversas doenças malignas e não-malignas, como leucemias, mieloma, linfomas, anemias, tumores sólidos comuns na infância, deficiências imunológicas, falência medular e distúrbios metabólicos, entre outros. No site do Hemocord você encontra uma listagem completa das doenças tratáveis com o uso de células-tronco do sangue de cordão.

Casos de sucesso​ com o uso das células-tronco

As células-tronco do sangue de cordão são utilizadas com sucesso no tratamento de diversas doenças ao longo de quase três décadas, desde o primeiro transplante com sangue de cordão realizado em 1988. Os casos de sucesso com o uso de células-tronco hematopoiéticas do sangue de cordão são observados em diversas doenças e disfunções que necessitam de transplante de medula óssea, como no tratamento da leucemia e da anemia falciforme.

Aplicações experimentais de células-tronco adultas estão sendo avaliadas em diversos estudos clínicos, envolvendo voluntários humanos com doenças variadas e condições incapacitantes, incluindo lesões do sistema nervoso central. Como exemplo, temos o caso recente da ginasta olímpica Laís Souza, a qual sofreu uma lesão na medula espinal. Ela foi submetida a um tratamento experimental, no qual os médicos utilizaram células-tronco adultas obtidas da bacia e da pelvis da atleta.