Quais os riscos de ficar grávida menos de um ano após o parto?

Muitos casais desejam ter um filho após o outro, não dando muito espaço de tempo entre as duas gestações.

Acredita-se que filhos com idades aproximadas podem passar pelas mesmas experiências em espaços de tempo menores e, com esse compartilhamento, se tornam mais unidos no futuro. Além disso, os pais não precisam voltar à rotina de ter um bebê em casa anos depois, quando já têm um filho crescido.

Por isso, muitas mulheres desejam engravidar novamente logo após dar à luz. Porém, essa situação é uma gravidez de risco. Sim, ficar grávida menos de um ano após um parto traz riscos para a saúde da mulher e do bebê.

O que é o puerpério?

O puerpério é um período após o parto em que o organismo recupera as condições anteriores à gravidez. Não é possível determinar exatamente quando ele termina, mas diversos estudos indicam que isso acontece na sexta semana após o parto, por volta do quadragésimo dia.

O ginecologista e obstetra Alexandre Pupo Nogueira explica: “Esse período é importante para que todas as mudanças trazidas pela gestação e pelo parto regridam ao estado natural”.

Nesse período, o colo uterino, que se abriu para o nascimento, se fecha. O sangue da gestante deve retomar seus padrões, pois sofreram alterações durante a gravidez. A produção de hormônios e as funções do sistema imunológico também voltam ao normal.

Além disso, o útero também precisa se recuperar de lesões que podem ocorrer durante o parto.

Quais são os riscos de engravidar menos de um ano após o parto?

Para a gestante, além dos riscos de engravidar no puerpério – incluindo infecção uterina, falha do sistema imunológico – existem outros problemas possíveis.

Em um intervalo menor do que seis meses, a gestante pode sofrer sangramento vaginal, ruptura prematura da placenta e inflamação no endométrio.

Para o bebê, também existem riscos. Especialistas afirmam que crianças nascidas em intervalos menores do que um ano têm maior risco de nascer com baixo peso, passar por um parto prematuro, sofrer paralisia cerebral ou apresentar subnutrição, comparado às concebidas entre 18 e 23 meses após a gestação prévia.

E quanto à cesárea?

No caso de uma cesárea, ainda há os riscos associados à cicatriz, já que a gestante passou por uma cirurgia que exigiu um corte profundo.

Quando a mulher engravida pouco tempo depois de um parto assim, o útero começa a crescer e a pressionar a cicatriz, dificultando a cicatrização completa e aumentando a possibilidade de ruptura do útero no local da cicatriz.

Quanto tempo é preciso esperar?

O período ideal entre as gestações, de acordo com estudos científicos, é de três a cinco anos. Esse período pode ser maior ou menor de acordo com a idade e saúde da mulher.

Mulheres mais velhas não se recuperam tão rápido, e somam a essa recuperação os problemas que aparecem com a idade, como diabetes mellitus e pressão alta.

Mas mulheres muito jovens também têm suas dificuldades: “E as adolescentes têm o organismo em desenvolvimento, buscando o equilíbrio hormonal, o que é outra condição desfavorável”, explica o obstetra Paulo Roberto Leão.

Sendo assim, o ideal é  dar um tempo maior entre uma gravidez e outra. Assim, você já será um pai ou uma mãe mais experiente na próxima gravidez e não correrá tantos riscos.